Benefícios

As maneiras mais tolas que as mulheres usam para tentar segurar um homem

Mulheres que 54327

Partilhar «Estou metida numa embrulhada. Habituada a trilhar os caminhos da infidelidade - traiu o ex-marido cinco vezes e o atual quatro - sempre os percorreu com se fossem gavetas que abria e fechava conforme o apetite. As ocupações profissionais dos parceiros facilitavam, e facilitam, as escapadelas. O primeiro viajava muito, o segundo trabalha à noite. Uma coisa era a minha vida familiar, outra as minhas aventuras. Agora, é diferente. Paula apaixonou-se pelo mais recente amante. Como testemunha o psiquiatra e terapeuta familiar José Gameiro, «elas, mais do que eles, tomam a iniciativa de romper com o casamento quando se apaixonam por outra pessoa». Subscrever Para Paula tudo se complicou quando o amante a pediu em namoro.

Ou seja, tentam forçar um relacionamento a qualquer custo. Antigamente, a maioria dos relacionamentos, sejam namoros, noivados e casamentos eram realizados por interesses financeiros e políticos. Hoje o que conta é o amor - ou deveria delatar - para se viver um namoro, noivado ou casamento feliz. O famoso golpe da barriga Talvez seja a mais antiga e a mais difundida técnica para se tentar segurar um homem. Muitas mulheres imaginam que uma criança vai fazer com que o homem se case com ela. Vida isto é muito errado. O concreto é um homem se casar com uma mulher porque a ama. A mulher casada que tenta o murro da barriga também pode se ver em maus lençóis. Nem vou conversar o caso de amante de homem-feito casado que tenta o golpe da barriga.

Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J. P e Poder. Para com essa palhaçada! Vai tomar no centro do seu fiofó!

É verdade que o amor é a coisa mais linda. O problema é quando se torna a coisa restante tóxica e a mais doentia. A poetisa portuguesa Florbela Espanca Vila Viçosa, ? Matosinhos, acreditou que amar, assim, perdidamente seria possível quando alguém tivesse sido alma, e sangue e viver de si própria. Considerou que idade muito melhor viver sem felicidade do que sem amor, que o aplicação confortava como o sol depois da chuva e ainda que o verdadeiro nome do amor seria cativeiro. Grandioso amante e pessimista ainda maior, aquele psicanalista acreditava que o amor idade, também, uma forma de suicídio. O que podemos entender, isso sim, é o que significa ser-se viciado no amor. Porém, o amor pode ser aditivo.

Leave a Comment